CfP «Crise ecológica e novos desafios para a democracia» [port / esp] 30.09.2012

Organização de Stefania Barca¹, Giovanni Allegretti¹ e Laura Centemeri²

Embora a crise ecológica constitua um problema público central do nosso tempo, não há consenso quanto às suas implicações políticas e sociais. O ambiente constitui-se, portanto, num grande campo de disputa simbólica e material, largamente dominado por abordagens  reducionistas (tecnicistas e/ou economicistas), muitas vezes alheias à dimensão social das questões ecológicas, onde  a desigualdade dos impactos e dos danos (em termos de distribuição socioeconómica) é um aspeto particularmente importante. Por outro lado, a maioria dos novos movimentos sociais, assim como um número crescente de «especialistas», já exprimem uma visão da crise ambiental como efeito de uma crise social de dimensão planetária. O ambientalismo não é só um assunto do foro da «urgência de resolução» através de  soluções técnicas. Existe hoje em dia um ambientalismo popular bem como movimentos pela justiça ambiental, tanto no Norte como no Sul, que se baseiam na perceção da relação entre desigualdades ambientais e sociais.

Novas ferramentas teóricas têm sido elaboradas nos últimos 10-15 anos, no âmbito das ciências sociais e humanas, que permitem analisar  as questões ambientais de forma menos dicotómica (além das oposições ambiente versus sociedade, natureza versus cultura) e mais abrangente do que no passado.

Esta chamada de artigos propõe-se reunir contribuições que, pela compreensão da crise ambiental contemporânea, utilizem criticamente os instrumentos de análise provenientes das seguintes áreas de investigação: justiça ambiental, saúde coletiva, democracia/cidadania ecológica, economia ecológica, ecologia política, ecocriticismo, sociologia ambiental e história ambiental.

Propõem-se os seguintes eixos temáticos:
1. Crise económica, (de)crescimento e (in)sustentabilidade (ex.: reconversão produtiva, relocalização, comércio ecossolidário, redes sociais ecologistas).
2. Migrações e meio ambiente (deslocações coletivas decorrentes de fatores como: construção de barragens, desastres naturais, mudanças climáticas, esgotamento de recursos naturais, parques nacionais, políticas de reabilitação urbana, políticas ambientais e políticas antimigratórias).
3. Agriculturas urbanas e periurbanas (segurança alimentar, alimentação saudável, sustentabilidade agrícola).
4. Diversidade biocultural (ex.: sementes e medicinas tradicionais, saberes locais, propriedade coletiva).
5. Impacto social dos novos riscos para a saúde coletiva (ex.: mudanças climáticas, transgénicos, tráfico de lixo tóxico).
6. Racismo ambiental (ou seja, transferência de custos ambientais para populações indígenas, minorias étnicas, afrodescendentes).
7. Grandes obras (ex.: comunicações, mineração, produção de energia) e conflitos ambientais.
8. Mobilizações contra a privatização de recursos (água, sementes, paisagem, etc.).
9. Novas narrativas e novas linguagens da crise ecológica (nomeadamente as chamadas ‘verdades desconfortáveis’, segurança ambiental nacional, green washing, (in)justiça ambiental e climática).

Espera-se que as contribuições abordem as diferentes temáticas propostas tendo em atenção dois eixos de questionamento transversais: a interação entre o local e o global, com particular enfoque no que cada questão implica em termos de relações Norte-Sul, e os desafios e/ou oportunidades que cada questão representa para a democracia e para a emancipação social.

As propostas deverão chegar até 30 de setembro de 2012 para o endereço rccs@ces.uc.pt. Deverão incluir: título, resumo do artigo (máx. 900 caracteres com espaços), artigo completo (máx. de 50 000 caracteres com espaços), breve nota biográfica (máx. 500 caracteres com espaços) do/a(s) autor/a(s) e declaração de autorização de publicação. Todas estas indicações detalhadas estão disponíveis em http://www.ces.uc.pt/rccs/normaspubrccs.pdf.

O/as organizadores/as darão notícia da aceitação ou recusa das propostas até final de outubro de 2012. A RCCS publica artigos em português e espanhol. Será sempre possível submeter propostas em francês, inglês ou italiano: caso aceites para publicação, os artigos serão traduzidos para português.

Página da RCCS: http://www.ces.uc.pt/rccs/index.php?id_lingua=1

 

[¹ Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra (PT) | ² CNRS-Maison Méditerranéenne des Sciences de l’Homme, Aix-en-Provence (FR)]


Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.